Há já vários anos que a Europa debate formas de aumentar os impostos às gigantes tecnológicas, mas é possível que estejamos agora mais perto de uma solução. Na próxima semana, o assunto vai ser tema de debate na cimeira do G20. Os ministros das finanças dos países presentes deverão chegar a um acordo sobre um novo regime tributário a aplicar a empresas como a Google, a Amazon, a Apple ou o Facebook.

A reunião vai decorrer em Washington. Sabe-se que o grupo vai analisar algumas propostas já desenvolvidas pela OCDE, que prometem revisões a sistemas tributários que datam de 1920.

Alemanha propõe criação de imposto global sobre rendimentos das gigantes tecnológicas
Alemanha propõe criação de imposto global sobre rendimentos das gigantes tecnológicas
Ver artigo

As novas regras deverão criar um novo imposto a aplicar sobre as receitas das tecnológicas, o que poderá tornar paraísos fiscais como a Irlanda em regiões menos atrativas para o negócio.

A Amazon comentou recentemente que as propostas da OCDE eram um importante passo em frente, uma vez que solidificavam os regimes de impostos sob os quais as empresas poderiam operar. Note que, apesar de explorarem falhas legais para fugirem aos impostos, as empresas do sector tecnológico têm também funcionado em cima de algumas incertezas que têm originado algumas das maiores multas comunitárias dos últimos anos. Recentemente, a Google foi condenada a pagar 1,1 mil milhões de dólares ao estado francês e a Apple chegou a pagar quase 13 mil milhões de euros, mais juros, à Irlanda.

As propostas da OCDE são claras quanto ao volume mínimo de negócios que uma empresa deve ter num dado país, antes de ser taxada, e qual a percentagem do lucro que pode ser taxada.

A imprensa internacional sublinha que os ministros das finanças dos países que fazem parte do G20 vão depois seguir para novas rondas de negociação. Espera-se que os 134 países que apoiaram a ideia de uma reforma possam chegar a acordo já em 2020.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.