A sonda separou-se da componente principal no dia 16 de outubro, começando a descida em direção ao Planeta Vermelho, onde deve pousar esta quarta-feira, por volta das 15h48 (hora de Portugal Continental).

Um dos desafios enfrentados pelo Schiaparelli é precisamente o de "aterrar" são e salvo e continuar a funcionar para fazer o resto do trabalho a que está destinado: realizar algumas medições sobre a temperatura, a pressão e o vento. 

O tempo não será muito: segundo a ESA as baterias do módulo poderão durar entre dois a oito dias, na melhor das previsões. Quando a energia acabar, Schiaparelli “apaga-se” e a sua missão estará cumprida.

A ESA explica em seis minutos de vídeo a descida do módulo Schiaparelli até Marte. 

 

A sonda TGO e o seu módulo Schiaparelli fazem parte da ExoMars, uma missão conjunta entre a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Russa (Roscosmos) e partiu em março para descobrir mais segredos de Marte, com tecnologia portuguesa a bordo. O lançamento foi realizado através do foguetão russo Proton-M, que partiu de Baïkonur, no Cazaquistão.

Um dos objetivos da ExoMars é perceber a evolução do planeta vermelho, e a sonda TGO vai tentar detetar vestígios de gases que possam indicar a presença de vida no planeta, mas para 2020 e está prevista uma nova missão com um rover na superfície, capaz de realizar perfurações no solo.  

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.