Na última semana foram registados dois incidentes graves com drones nos principais aeroportos portugueses. No Porto, a presença de um dispositivo no espaço aéreo levou à paralisação da infraestrutura do aeroporto por cerca de 40 minutos. E em Lisboa, foram avistados dois drones nas áreas de aproximação e descolagem do aeroporto, tendo um deles caído na pista. A estes dois exemplos juntam-se mais 16 incidentes relacionados com os dispositivos aéreos não tripulados registados pela Autoridade Nacional da Aviação Civil na primeira metade do ano.

A situação tem preocupado os pilotos, e nem a lei que regula a utilização de drones, que entrou em vigor há um mês parece atenuar o perigo iminente que os dispositivos representam aos aeroportos. O presidente da Associação Portuguesa de Pilotos de Linha Aérea (APPLA), Miguel Silveira, referiu à TSF que considera um disparate apenas os aparelhos com mais de 900 gramas serem obrigados a ter um seguro, “um drone de 500 gramas é perigosíssimo, pois a sua velocidade de traslação cria uma energia enorme”.

É referido ainda que apesar das leis, não existem condições para esta ser aplicada pela falta de fiscalização. Mas acima de tudo, considera que o problema principal é a falta de consciencialização e responsabilidade dos utilizadores.

Apesar das campanhas de sensibilização aos perigos de utilização dos drones, os incidentes em áreas de risco continuam a acontecer, levando os pilotos a pedir leis mais rígidas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.