Em “vésperas” da entrada em efeito do Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), Mark Zuckerberg, o dono do Facebook, vai hoje finalmente prestar o seu depoimento no Parlamento Europeu para esclarecer o escândalo Cambridge Analytica. A DECO, associação de defesa do consumidor,  considera que o líder da rede social está a fugir às suas responsabilidades no caso e exige que os consumidores lesados sejam compensados, e que assuma compromissos claros sobre as práticas futuras do Facebook.

Facebook: todos podemos estar em risco e não "apenas" os 87 milhões de perfis acedidos indevidamente
Facebook: todos podemos estar em risco e não "apenas" os 87 milhões de perfis acedidos indevidamente
Ver artigo

Desde que o escândalo explodiu  que a instituição tem tentado estabelecer conversações diretas com a empresa, afirmando que o caso Cambridge Analytica é apenas a ponta do iceberg sobre o assunto e que poderão ter ocorrido outras situações semelhantes. Depois de semanas a aguardar respostas às questões levantadas, a DECO não recebeu justificações que tenham sido satisfatórias, diretas e inequívocas, explica em comunicado.

A instituição acusa o Facebook de encenação, adotando uma estratégia para fugir às suas responsabilidades, consistindo em simular a negociação com as organizações ligadas à defesa dos consumidores, ao mesmo tempo que Mark Zuckerberg “jura” uma nova postura da empresa baseada na nova política de proteção de dados dos consumidores, mas sem apresentar medidas concretas.

DECO e Google juntas para promover segurança online dos portugueses
DECO e Google juntas para promover segurança online dos portugueses
Ver artigo

Perante o iminente testemunho do dono do Facebook às instâncias europeias, a DECO elaborou uma lista de perguntas que exige ver respondidas durante o inquérito. Entre elas, que compensações vão ser pagas aos consumidores afetados e como poderão os mesmos controlar no futuro os seus dados. A instituição quer ainda saber os resultados da inspeção interna, que foi revelada pelo Facebook, para detetar outras violações semelhantes.

A DECO quer ainda saber quais as medidas tomadas para recuperar a confiança na plataforma, mesmo que se tenha comprometido em adotar o RGPD. Por fim, a Defesa do Consumidor questiona como é que a gestão de partilha de dados dos utilizadores é compatível com o seu modelo de negócio.

De forma a manifestar o seu desagrado perante a postura do Facebook, diferentes organizações europeias ligadas à Defesa do Consumidor uniram-se num Grupo do Facebook “osmeusdadossaomeus” com o objetivo de esclarecer e alertar os consumidores para a utilização dos seus dados.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.