O JP Group, que centraliza as operações da JP Sá Couto, a empresa que desenvolveu e fabricou o computador para a educação Magalhães, está em negociações para a venda do negócio de distribuição ao grupo suíço Also, que já dá a operação como certa.

Num esclarecimento divulgado esta manhã, em reação ao anúncio do grupo suiço, a empresa portuguesa refere que "ao longo dos últimos meses, a JP Sá Couto tem estado em negociações com o ALSO Group para a eventual aquisição da sua unidade de negócio da Distribuição, a jp.di".

A empresa explica também, citando o CEO do grupo, que “esta é uma potencial oportunidade de assegurar o crescimento da jp.di, permitindo continuar com o excelente desempenho até à data. Este processo permitirá à jp.di alargar o leque de soluções e serviços ao dispor dos seus clientes, mantendo a sua estrutura, cultura e forma de estar”. Quanto à JP Sá Couto, refere-se, manter-se-á em atividade, concentrando-se nos projetos educativos de base tecnológica.

Na nota divulgada mais cedo pela Also, refere-se que o negócio inclui a comercialização da plataforma educacional e da marca de jogos da JP Sá Couto na Europa, complementando as competências e ofertas que a ALSO já tem nestas áreas. A Also refere ainda que o acordo lhe permitirá trazer para Portugal e para os restantes mercados onde a JP Sá Couto chega com a unidade de negócio visada pela operação, as três áreas de negócio que explora e que compreendem serviços de cloud, inteligência artificial e cibersegurança.

"Os revendedores portugueses poderão estabelecer e aumentar o seu negócio de consumo com o Cloud Marketplace da empresa e as plataformas digitais de IoT, cibersegurança ou inteligência artificial. A migração de ofertas educacionais e de jogos para o ALSO Cloud Marketplace (ACMP) irá criar um portefólio melhorado para os clientes finais em todos os países, permitindo uma maior monetização dos Utilizadores Únicos", diz o comunicado divulgado pela Also.

A nota da Also também cita o presidente da JP, Jorge Sá Couto: “Foi muito importante para nós encontrarmos um novo novo para a maior parte das nossas operações que vai dar continuidade ao que construímos nos últimos 30 anos, enquanto a JP Sá Couto Holding continuará a apostar em projetos de educação em Portugal e em todo o mundo".

"A Also não só compreende a nossa indústria como a nossa cultura e investe no nosso país e na nossa equipa. Estou ansioso por acompanhar a transformação e integração da nossa empresa, transmitindo os nossos conhecimentos e fazendo da nova entidade uma força a ter em conta em Portugal e no estrangeiro", acrescenta João Paulo Sá Couto, vice-presidente.

Na mesma nota, Gustavo Möller-Hergt, CEO da Also Holding, sublinha que o negócio vai permitir "aprimorar o nosso ecossistema e criar oportunidades de crescimento adicionais”.

O valor do negócio não foi divulgado. A Also indica apenas que está ainda sujeito a aprovação regulatória e, para deixar uma ideia da dimensão, explica que a operação recai sobre um "país com um Mercado Total Endereçável de 1,5 mil milhões de euros" acrescentando que o ecossistema da JP Sá Couto abrange 3500 revendedores, o que a torna "um dos atores dominantes no mercado".

Fabricante do Magalhães escolhida para fornecer mais de 47 mil computadores a escolas na Argentina
Fabricante do Magalhães escolhida para fornecer mais de 47 mil computadores a escolas na Argentina
Ver artigo

A JP divide hoje o negócio em quatro áreas: distribuição (JP.DI, visada neste negócio), educação (JP.Ik), serviços TI e investimento. A educação assumiu-se nos últimos anos como uma das áreas de negócio mais fortes do grupo nortenho, que é também o fabricante dos computadores Tsunami e Magalhães. Este último esteve na base de um programa que levou milhares de computadores para as escolas portuguesas.

O programa português acelerou também a expansão da empresa neste mercado a nível internacional e a JP hoje continua a desenvolver e fornecer soluções educativas. Ainda em maio ganhou um concurso internacional das Nações Unidas para fornecer mais de 47 mil portáteis a alunos na Argentina, num contrato de 10 milhões de dólares.

No esclarecimento hoje divulgado a empresa volta a frisar que “a jp.ik tem sido uma área de grande notoriedade no mercado internacional. Desde o desenvolvimento de hardware pensado para as necessidades dos mais pequenos, passando pela implementação de projetos tecnológicos de grande escala, com vista à digitalização e democratização do acesso à educação, a J.P. Sá Couto continuará a marcar presença no mercado global.”

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.