Na semana passada, o Primeiro-Ministro António Costa garantiu que estava a ser preparada uma solução para assegurar aulas para todos os estudantes em isolamento, depois do encerramento das escolas no país a 16 de março. Este fim-de-semana surgiram mais detalhes sobre o plano do Governo, com uma nova Telescola para alunos até ao 9º ano, que vai ser transmitida na RTP Memória, disponível na TDT e na televisão por cabo. De fora ficam os estudantes do secundário e das universidades.

Desde que foram encerradas, as escolas têm visto na Internet a alternativa mais viável para o ensino continuar "on" na medida do possível. A Direção-Geral da Educação (DGE) divulgou a 27 de março um roteiro com oito princípios orientadores para a implementação do ensino à distância nas escolas, depois de referir desde o início a preferência de "soluções que utilizem processos simples e não exigentes de muita tecnologia, largura de banda ou elevadas competências digitais dos utilizadores". No entanto, três dias depois do encerramento das escolas um estudo revelou que 20% dos alunos estão excluídos das aulas à distância por não terem computador em casa.

Governo prepara plano de aulas através da TDT para todos os estudantes em isolamento
Governo prepara plano de aulas através da TDT para todos os estudantes em isolamento
Ver artigo

O plano do Ministério da Educação é agora aproveitar a TDT para o ensino de todos os estudantes até ao 9º ano. A notícia foi confirmada por Tiago Brandão Rodrigues, Ministro da Educação, que explicou à RTP de que forma iria funcionar a Telescola, que data dos anos 1960/70, na altura com um ensino semi-presencial para os alunos do segundo ciclo.

Esta nova Telescola é “algo completamente diferente”, garante Tiago Brandão Rodrigues, que deixa para 9 de abril a divulgação de mais detalhes sobre as novas formas de ensino em Portugal. Para já sabe-se que a ferramenta se trata de um "complemento", com um conjunto de blocos temáticos de recursos educativos que pretendem complementar o trabalho dos professores e que querem chegar a todos os alunos. Os pormenores do projeto estão ainda a ser ultimados, mas deverá avançar no início do terceiro período, depois das férias da Páscoa.

Como tem sido feito o ensino a distância em Portugal desde que as escolas foram encerradas?

No mesmo dia em que foi decretado o encerramento das escolas, um dos sistemas que garante o ensino a distância, o COLIBRI, registou mais de 63.000 mil utilizadores em cerca de 2.700 aulas ou reuniões. Na altura, o Governo destacou uma “grande mobilização de todas as instituições de ensino superior na adoção de ambientes colaborativos e de ensino a distância no âmbito dos seus planos de contingência para prevenir a transmissão do novo Coronavírus”.

Também a 16 de março, a DGE, em colaboração com a Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, lançou um site, com um conjunto de recursos para apoiar as escolas na utilização de metodologias de ensino a distância. O objetivo foi, desde logo, dar continuidade aos processos de ensino e aprendizagem.

COLIBRI: Plataforma online de ensino à distância com mais de 63.000 utilizadores num só dia
COLIBRI: Plataforma online de ensino à distância com mais de 63.000 utilizadores num só dia
Ver artigo

Numa primeira fase, o objetivo da DGE era que todas as escolas mantivessem o contacto diário com os alunos e, de forma gradual, introduzissem processos e ferramentas mais complexas de interação. De notar que não foram esquecidos os alunos que "ainda não têm acesso à Internet ou ao equipamento", com a DGE a apostar num "contacto estabelecido através de organizações e associações locais ou da Junta de Freguesia", que poderá assegurar que estes alunos também recebem materiais e tarefas para fazer.

A aposta tem sido também ajudar os próprios docentes a ensinarem de forma mais eficiente através do ensino a distância. Desde final de março com uma equipa para ajudar as escolas neste sentido, o Ministério da Educação lançou a “brigada” de apoio "Estamos on com as escolas" para apoiar professores e diretores, composta por mais de 100 profissionais. O organismo do Governo desenvolveu ainda um instrumento de apoio aos diretores das escolas públicas e privadas, depois de as associações de professores e sociedades científicas estarem a disponibilizar, em parceria com a DGE, recursos educativos e formação à distância.

Numa altura em que as plataformas têm sido a grande aposta, a verdade é que a cibersegurança é outro problema que nas aulas presenciais não era uma questão tão relevante. A plataforma Zoom, que está a ser utilizada por várias escolas e universidades em Portugal, chegou mesmo a ser proibida no ensino a distância em Nova Iorque por não ser considerada segura.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.