Nos últimos anos a realidade mudou significativamente para muitas empresas que tiveram necessidade de investir nas infraestruturas de suporte, viram as cadeias de valor a encurtar, desenharam novos serviços destinados à produção, novos modelos de negócio, e tiveram de procurar pessoas com competências para funcionar neste novo modelo. O cenário foi traçado por Pedro Siza Vieira esta manhã, na abertura do Portugal Digital Summit’19, a conferência promovida pela ACEPI que decorre no Pavilhão Carlos Lopes hoje e amanhã, 22 e 23 de outubro. O Ministro Adjunto e da Economia do atual Governo, e já indigitado Ministro da Economia e da Transição Digital no XXII Governo, alertou para o facto da mudança para o digital estar a acelerar e dos riscos de nos atrasarmos neste desafio e nesta mudança.

“Penso no que o país pode ser dentro de uma década”, afirmou, admitindo que na sua visão todas as empresas e os cidadãos têm novas oportunidades e nenhuma pessoa ou região fica para trás, mas admitindo que há também o outro cenário, semelhante a uma aldeia no centro do país de onde os filhos e netos partiram e que só regressam nas férias para viver memórias, um quadro que é preciso evitar.

“Pasta” da Transição Digital junta-se ao Ministério da Economia do novo Governo
“Pasta” da Transição Digital junta-se ao Ministério da Economia do novo Governo
Ver artigo

Recorrendo aos dados da digitalização da economia, Pedro Siza Vieira lembrou que 30% das empresas não têm presença digital. “As empresas que percebam o que é a transição digital vão crescer e prosperar, vão identificar as novas oportunidades de negócio, vão prestar serviços nesta nova realidade, encontrar novas formas de se relacionar com os seus clientes e parceiros. Os que não o souberem fazer vão ter o destino da BlackBerry”, sublinhou.

Os critérios para adequar o tecido económico passam por ter pessoas qualificadas, instituições de ensino que preparem as pessoas para as novas necessidades, empresas a trabalhar em rede, uma base de conhecimento científico e tecnológico adequado aos novos tempos, alinha Pedro Siza Vieira. “Todos os que estão nesta sala percebem a dimensão da oportunidade e o potencial de mudança que se oferece ao nosso país, mas também sabem bem o que sucederá se nos atrasarmos a enfrentar este desafio ou perdermos a oportunidade de mudança”, alerta.

“O que temos de aspirar é ser uma sociedade moderna, assente no conhecimento, na inovação, eficiente, que não desperdiça recursos e que não deixa ninguém para trás”, complementou, acrescentando que os participantes no Portugal Digital Summit’19 são os protagonistas desta mudança e estão na condição de ajudar a transformar o país.

Números de uma mudança em curso (lento)

Alexandre Nilo Fonseca, presidente da ACEPI, recorreu aos números do Estudo da Economia Digital para mostrar como a evolução nos últimos anos tem sido rápida, mas avisando que nos próximos 15 anos a transformação vai ser ainda mais acelerada e intensiva, assente nas tecnologias de inteligência artificial, de interfaces de voz e de uma digitalização intensiva dos processos de negócio. “Estamos a entrar no conceito de Digital Business, em que tudo é integrado desde o momento em que concebemos um produto até ao momento da entrega ao cliente”, afirmou.

A diferença entre as empresas com um nível de sofisticação grande e “o ecossistema empresarial que está fora da realidade” e da economia digital, foi também sublinhada pelo presidente da ACEPI, que lembrou as várias iniciativas que a associação tem para as pequenas e médias empresas, como o Comércio Digital.

Metade dos internautas portugueses fez compras online em 2018
Metade dos internautas portugueses fez compras online em 2018
Ver artigo

Apesar dos números ainda reduzidos de portugueses que já compram online, o volume total de transações eletrónicas é elevado e ultrapassa os 87 mil milhões de euros, representando já 40% do PIB, muito fruto das transações entre empresas e com o Governo (B2B e B2G). “Ao contrário do que as pessoas pensam, nesta área damos cartas, embora o B2C tenha espaço para crescer”, adiantou Alexandre Nilo Fonseca.

Outro dos grandes desafios é o facto de uma fatia muito significativa dos 5,5 milhões de euros gastos pelos consumidores ser feito fora do país, cerca de 90%, com peso muito significativo da China.

O presidente da ACEPI fez ainda a comparação com a Alemanha, que está na 12ª posição no Índice de Desenvolvimento Digital (DESI), enquanto Portugal está na 19ª posição. “A Alemanha tem muito a ensinar-nos no capital humano, da transformação das empresas e na transformação digital até dos próprios cidadãos, com uma utilização muito acima dos portugueses”, sublinhou.

Esta mobilização para a transformação digital foi também sublinhada pelos representantes de organizações alemãs que participam o Portugal Digital Summit. Miguel Leichsenring-Franco, da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã afirmou que esta revolução digital é da maior importância para uma economia e indústria tão sofisticadas como a alemã. O responsável lembrou que há muitas empresas alemãs que já escolheram Portugal para fixar as suas áreas de desenvolvimento e inovação, e que a organização que representa apoia ainda outras companhias menos conhecidas que estão neste processo, tirando partido das competências e condições que existem no país.

Também Daniela Schlegel, responsável de missão da embaixada da Alemanha em Portugal, salientou que Portugal é uma localização cada vez mais atraente para localização de startups e empresas digitais e elogiou o trabalho que tem sido feito a nível económico e político, que vai ser reforçado com a presidência conjunta da União Europeia em 2021 entre Alemanha, Portugal e Eslovénia.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.