Os hackers do grupo pró-Rússia Killnet voltaram a reivindicar um novo ataque contra o website do governo da Bulgária. O ataque DDoS, levado a cabo este domingo, fez que com que a página se tornasse inacessível.

Citado pela agência EFE, em comunicado à imprensa, o governo búlgaro avança que estão a ser tomadas medidas para mitigar o ciberataque, com Petar Kirkov, responsável da área de cibersegurança do governo do país, a apontar para o grupo de hackers pró-Rússia como os responsáveis pelo sucedido.

Ainda na semana passada, o grupo Killnet atacou a página dos serviços secretos do país. Já em outubro, os piratas informáticos atacaram também os websites da Presidência e do Ministério do Interior do governo búlgaro, assim como de várias operadoras de telecomunicações.

Em setembro, o grupo de hackers perpetrou um conjunto de ataques informáticos a websites do governo do Japão que afetaram também o portal dos impostos autárquicos e a Mixi, considerada como a segunda maior rede social do país. O incidente registado no Japão seguiu ataques em larga escala a websites dos governos da ItáliaLituâniaEstónia, Polónia e Noruega. 

Hackers pró-Rússia atacam websites dos principais aeroportos dos Estados Unidos
Hackers pró-Rússia atacam websites dos principais aeroportos dos Estados Unidos
Ver artigo

Mais recentemente os piratas informáticos reivindicou um conjunto de ataques DDoS contra os websites dos principais aeroportos nos Estados Unidos que, embora não tenham causado constrangimentos nos voos, impossibilitaram o acesso por parte dos utilizadores às páginas online.

Apesar de os hackers se afirmarem pró-Rússia, ainda é desconhecido se o grupo tem, de facto, ligações ao governo do russo. No entanto, como detalham um recente relatório de defesa digital da Microsoft, o número de ataques informáticos promovidos por estados está a crescer, com a guerra híbrida da Rússia contra a Ucrânia a ser um dos fatores relevantes. 

A eficácia dos ataques patrocinados por estados aumentou de 20% para 40% de taxa de sucesso. A taxa é justificada pelos avanços da Rússia na tentativa de destruição das infraestruturas críticas da Ucrânia e a espionagem aos países aliados, incluindo os Estados Unidos (55%), Reino Unido (8%), Canadá (3%), Alemanha (3%) e Suíça (2%).

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.