Depois de todas as polémicas relacionadas com a fiabilidade do Sistema Integrado de Redes de Emergência (SIRESP) e a capacidade de investimento dos acionistas na empresa, o Conselho de Ministros aprovou na última reunião a aquisição, por parte do Estado, das participações sociais dos atuais acionistas privados da SIRESP, SA, dando seguimento a uma resolução do Conselho de Ministros de Outubro do ano passado. A medida já foi promulgada pelo Presidente da República.

O valor da aquisição ficou fechado nos 7 milhões de euros e o executivo explica que desta forma se "transfere integralmente para a esfera pública todas as funções relacionadas com a gestão, operação, manutenção, modernização e ampliação da rede SIRESP e, por consequência, a estrutura empresarial e o estabelecimento em que assenta atualmente o desenvolvimento dessas funções".

A mudança é concretizada a partir de 1 de dezembro de 2019, mas fica "desde já a intervenção do Estado na condução executiva da sociedade SIRESP, SA, estando deste modo garantido que não haverá qualquer desligamento do respetivo sinal de emergência", refere o comunicado do Conselho de Ministros. A Altice e a Motorola continuam a ser as fornecedoras da rede e dos terminais, com contrato até 2021.

O Governo destacaca que, dada a relevância deste sistema, faz hoje sentido que o Estado tenha o domínio integral efetivo sobre a operação de um sistema que anualmente suporta mais de 35 milhões de chamadas a mais de 40 000 utilizadores e que envolve interesses tão essenciais da segurança do Estado e dos cidadãos. A infraestrutura é composta por 451 antenas satélite e 18 geradores,

Regulador tem propostas para melhorar proteção das redes de telecomunicações em caso de incêndio
Regulador tem propostas para melhorar proteção das redes de telecomunicações em caso de incêndio
Ver artigo

Em comunicado o Governo reafirma "a importância vital de garantir a interoperabilidade das comunicações de emergência e de segurança por meio de uma infraestrutura única que sirva de suporte às radiocomunicações das diversas entidades com atribuições nesses domínios".

Reconhecendo também a importância de sistema de comunicações de emergência seguro, confiável e eficaz, a nota de promulgação da lei pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sublinha "as acrescidas responsabilidades do Governo, a partir de agora, na direção e orientação de uma entidade que terá capitais inteiramente públicos".

O mesmo tipo de alerta tem sido feito por especialistas na área, que já avisaram que controle do Estado não garante a fiabilidade da rede. Joaquim Sande Silva, especialista em incêndios florestais e membro do Observatório dos Incêndios Florestais, afirmou à RTP que esta é uma medida política do Governo e acrescenta que nada garante que o sistema passará a funcionar melhor.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.